LUTE PELO CORAÇÃO

por Reggie Joiner

Hannah é nossa filha primogênita e tem muito potencial de liderança. Isso é apenas uma outra maneira de dizer que ela desafiou muito nossos limites enquanto crescia.

Lembro-me distintamente de ter tido uma conversa com ela uma noite quando a coloquei na cama. Era um daqueles dias em que tivemos muito conflito, e ela havia se metido em todos os problemas que uma criança de cinco anos pode entrar. Por alguma razão, fui obrigado a fazer-lhe uma pergunta antes de apagar as luzes. Eu disse: “Você acha que eu te amo mais quando você se comporta bem, ou mais quando você se comporta mal?

Ela imediatamente respondeu: “Você me ama mais quando me comporto bem!” Meu coração doeu quando percebi qual era a percepção dela sobre o nosso relacionamento. Eu tentei pedir desculpas a ela pelas minhas reações como pai. Lembro-me de dizer a ela naquela noite (e por vários meses depois todas as noites): “Espero que você sempre se lembre de que eu te amo da mesma forma, quando você é se comporta bem ou mal”.

É tão fácil tornar nossas regras mais importantes do que o relacionamento. É no tom da nossa voz, nossa linguagem corporal e nossos olhos. Se não formos cuidadosos, a decepção no comportamento de nossos filhos pode ser traduzida em seus corações como rejeição. A verdade é que nossos filhos sempre desafiarão as regras e nossos pensamentos, mas devemos nos esforçar para ser pais de uma maneira que eles nunca possam questionar o quanto os amamos.

Olhando para trás, percebo que nunca expliquei claramente as regras de educação para que meus filhos pudessem concordar e dizer: “Oh, agora entendemos, pai! Você explicou isso muito bem. Nós faremos exatamente o que você diz. ” É natural e normal que as crianças desafiem o processo. À medida que se movem em direção à independência, isso acontecerá com mais frequência. Esse é o problema com as regras – você sempre pode debater suas razões, mas não pode debater um relacionamento confiável. Infelizmente, a maioria de nós, pais, é mais habilidoso em lutar para vencer o argumento do que em lutar para conquistar o coração deles.

Não é que os pais não devam dar respostas quando as crianças perguntam: “Por quê?” É só que as respostas têm mais peso quando combinadas com um relacionamento saudável. Uma das coisas mais poderosas que um pai pode fazer é aprender a se comunicar em um estilo que valorize o relacionamento.

Traduzido por Sergia Kelling dia 4 de Abril de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *